Tesouros de valor incalculável

Atualizado: Abr 26

Olá!! :)


Hoje, dia de Páscoa, é um dia em que, tradicionalmente, gostamos de estar em família, de fazer visitas (nem que seja com a desculpa de trocarmos algumas guloseimas tradicionais desta época), de nos reunirmos com os nossos à volta de uma mesa... Este ano, por causa desta terrível pandemia que invadiu o nosso mundo, vemo-nos obrigados a ficar em casa, longe de pessoas importantes na nossa vida.

O que, inevitavelmente, nos causa imensas saudades. E se nos outros dias já custa, nestes dias especiais custa ainda mais, verdade?


Pensando nisso, para passar um momento de partilha com a família cá de casa, para ajudar a nos sentirmos mais próximos dos nossos e para recordar, fui buscar álbuns antigos, de fotos minhas em bebé e em criança, álbuns esses que guardo como se de um tesouro valiosíssimo se tratasse, porque para mim são isso mesmo.

Para quem não sabe, a minha mãe faleceu quando eu tinha apenas quatro anos (a idade actual do meu filho mais novo).

As fotografias e alguns vídeos (que tenho a sorte de ter) são a única forma que tenho de me recordar dela e o único meio de mostrar aos meus filhos a avó que, infelizmente, nunca conheceram.

Vermos estes álbuns causa-nos sempre muita emoção. Os meus filhos vêem como era a mãe com a idade deles, têm muita curiosidade, fazem perguntas. E tudo isto deixa-nos com sorrisos nos rostos e faz o meu coração bater mais forte.



Para além destes álbuns da minha infância, eles querem sempre ver, também, os álbuns deles, de quando eram bebés. Simplesmente adooooram!! Derretem-se todos a ver como eram fofinhos, riem-se das caretas que faziam e percebem que já foram tão pequeninos que cabiam nos braços da mãe, do pai, dos avós, dos primos (que na altura eram também crianças e agora já são adultos, ou quase, e já estão maiores que nós).


O tempo passa muito depressa, principalmente quando se tem filhos!! Quem é pai/ mãe sabe do que estou a falar!

Os nossos bebés depressa deixam de caber nos nossos braços, num piscar de olhos querem ser (e ficam) independentes, de um dia para o outro deixam de ter aquelas bochechinhas gordas e boas que só apetece devorar com beijinhos! E se não fossem as imagens que temos deles dessa época, já nem nos lembraríamos de como eles eram. Concordam?


Daí a importância de termos álbuns, quadros, telas, a decorar a nossa casa.


Por nós, pais e mães, que adoramos recordar como era a barriguinha de grávida, que nos derretemos ao ver as fotos dos nossos bebés, que nos emocionamos a ver e a reviver cada momento da nossa história. E para os nossos filhos que adoram ver, perguntar, saber tudo e conhecer a história da nossa família através daqueles momentos felizes, daqueles momentos de amor!


No fundo é isto mesmo: os nossos álbuns de fotografias contam a história das nossas vidas, a história da nossa família. Têm o poder de nos levar numa viagem ao passado, de nos fazer reviver emoções, ajudam-nos a aconchegar o coração ao rever pessoas que já partiram, mas que através daquelas fotografias ficaram eternizadas, ou a matar saudades daquelas pessoas que são muito importantes para nós mas que, por qualquer motivo, estão longe, fisicamente.


Por tudo isto digo que a minha missão é Eternizar Momentos de Amor das famílias que me procuram.

Registo e eternizo através da lente da minha câmara fotográfica momentos de emoção, de partilha, de cumplicidade entre casais, pais, filhos, avós, primos... no fundo, entre pessoas que se amam! :)


Sei, por experiência própria, da importância que estas fotografias têm ou terão na vida de cada indivíduo e das famílias, do impacto e da emoção que causam ou vão causar no futuro.


Já ouvi tantas histórias, assustadoras, de pessoas que tinham as fotografias todas dos filhos apenas em formato digital e que, por qualquer problema perderam-nas para sempre e assim perderam a sua história.


Para além disso, fotografias guardadas num disco, num computador, ou no telemóvel, ficam escondidas e raramente vamos olhar para elas. Recordo-me que uma vez um cliente, um jovem pai de um bebé recém nascido que eu estava a fotografar, contou-me que não tem nenhuma fotografia dele de quando era bebé ou criança e que, claramente, isso o deixa muito triste, com a sensação de que lhe falta algo e que não queria isso para o seu filho, por isso estava ali a eternizar aquele momento e que ia registar muitos mais. Por tudo isto e para bem da história da sua família, faça sessões fotográficas e guarde essas fotografias em álbuns, ou noutros produtos impressos, porque essas recordações, em suporte físico, têm um valor incalculável!

Boa Páscoa e até breve! :)

129 visualizações

Fotografia de Gravidez, Recém Nascidos e Família

Comentários e avaliações de clientes: